O novo estudo da Kaspersky, conduzido pela Arlington Research, revela que os europeus já sofriam de solidão muito antes da entrada em vigor das medidas de confinamento impostas pela COVID-19. De acordo com os dados apurados, também os portugueses já se sentiam sozinhos antes da pandemia – para alguns, o período de quarentena veio acentuar esta solidão. Com a crise pandémica ainda sem um fim previsto, as pessoas recorrem cada vez mais à tecnologia para se manterem ligadas aos seus entes queridos e combaterem a solidão.

De modo a cumprirem as orientações do Governo no que respeita ao distanciamento social, muitas pessoas passaram a dar mais uso à tecnologia, uma vez que passam grande parte do seu tempo em casa. Em Portugal, cerca de 79% dos inquiridos pela Kaspersky admite que os dispositivos tecnológicos os ajudou a sentirem-se ligados a amigos ou familiares que vivem longe. Um número que está muito próximo da média europeia: 71%.

Por outro lado, cerca de 40% dos portugueses que participaram na investigação concorda que as restrições sociais resultantes da COVID-19 os fizeram sentirem-se mais confortáveis na utilização da tecnologia do que antes. Na Europa, 43% dos millennials inquiridos e 53% das pessoas que vivem em agregados familiares com várias gerações afirmaram experienciar a mesma situação, o que mostra como o aumento do tempo em casa levou a uma maior dependência da tecnologia.

A psicoterapeuta e fundadora do conjunto de programas de desenvolvimento “Psyched”, Kathleen Saxton, acredita que, embora a tecnologia seja uma ferramenta que está a ajudar as pessoas durante a pandemia, a solidão é a maior epidemia que se abate sobre os seres humanos e que continuará a existir, mesmo quando ultrapassarmos a crise atual.

“Durante o confinamento obrigatório, a Internet e as tecnologias digitais como os smartphones, os notebooks e os computadores foram um suporte fundamental. Foram estas que nos permitiram estar em contacto e sentirmo-nos mais próximos da família, dos amigos e de todas as pessoas que nos são significativas. A generalização da vídeoconferência teve também um papel decisivo nesta aproximação, de quem não podia estar próximo fisicamente, ao permitir ver o rosto, e, com isso, as emoções que por essa via se expressam. A imagem e a visualização do rosto permitem um contacto humano muito mais profundo. A «humanização» da tecnologia será cada vez mais uma tendência no futuro", comenta a psicóloga Rita Salazar Dias.

O isolamento resultante da pandemia afetou ainda mais a saúde mental das pessoas e exerceu uma pressão adicional em todas as áreas da sociedade. De facto, mais de metade dos europeus (53%) que admitiram sentirem-se sozinhos durante a crise provocada pela COVID-19, revelaram que este sentimento de solidão foi mais intenso que no período pré-COVID. Em Portugal, a percentagem destas pessoas foi de 42,6%, valor muito próximo dos 41,8% de inquiridos que responderam terem sentido o mesmo nível de solidão durante e antes da pandemia.

Além disso, a Geração Z foi considerada a geração mais solitária da época. Neste sentido, 68% dos europeus desta faixa etária admitiram sentirem-se sozinhos durante o confinamento, pelo menos numa parte do tempo (entre abril e maio de 2020), em comparação com apenas 37% da Geração Silenciosa[4]. Enquanto as gerações mais velhas são frequentemente consideradas prioritárias pelos Governos e pela própria comunidade, de forma a garantir que não ficam isoladas, corre-se o risco de as pessoas mais jovens e em idade ativa estarem a perder o apoio que também precisam.

No entanto, embora a tecnologia esteja claramente a revelar-se um benefício, nem todos são peritos na sua utilização. Cerca de 36% dos portugueses afirmaram que desejariam ter mais conhecimentos de tecnologia, pois isso ajudá-los-ia a sentirem-se menos sozinhos.

"Penso que nunca tínhamos visto uma adesão em massa tão rápida à tecnologia. Normalmente, a tecnologia tende a entrelaçar-se mais gradualmente nas nossas vidas, mas a atual situação de pandemia forçou as pessoas que antes se afastavam da tecnologia, a adoptá-la. Alguns serviços, como as videochamadas ou as compras online, que em tempos foram utilizados ocasionalmente, tornaram-se agora essenciais. Embora seja uma boa notícia que aqueles que outrora receavam ou desprezavam algumas tecnologias estão agora a recolher os benefícios, é importante estar ciente de que a consciência dos utilizadores em relação aos riscos online podem ficar muito aquém da sua compreensão sobre a forma de utilizar a tecnologia. Temos de garantir que se mantêm ligados em segurança. As ferramentas online e digitais que temos à nossa disposição, quando utilizadas em segurança, podem funcionar como um grande «medicamento» para a solidão", comenta David Emm, Investigador Principal de Segurança da Kaspersky.

"Temos a sorte de poder permanecer ligados online durante este período e o mais provável é que estes hábitos se mantenham, mesmo depois de terem sido levantadas quaisquer medidas de distanciamento social. É importante criar hábitos seguros online desde o início para garantir que não somos vítimas de cibercrime, numa altura em que o coronavírus nos torna mais dependentes da tecnologia", acrescenta.

Para mais informações sobre os resultados da última investigação da Kaspersky, consulte o relatório Find Your Tribe.

Classifique este item
(0 votos)
Ler 126 vezes
Tagged em

Sobre nós

Nascida em 2002, a Wintech é uma pagina web que reúne informações sobre tecnologia. Apresenta regularmente guias, análises, reportagens e artigos especiais de tudo o que rodeia o mundo tecnológico. Saiba mais.

Newsletter

Receba as notícias no seu e-mail

Top