De acordo com a Check Point® Software Technologies Ltd., em 2018 os cibercriminosos estão a usar cada vez mais o ransomware para dispositivos móveis. O recurso a este tipo de ataque, que sequestra o terminal da sua vítima, também cresceu de forma exponencial em computadores. Não é, portanto, de estranhar que também se tenham popularizado as suas variantes para smartphones e tablets.

Para evitar que esta ameaça continue a proliferar como uma séria ameaça aos dispositivos, a empresa de cibersegurança explica como funciona e quais são os perigos do ransomware móvel. 

Ransomware móvel no Google Play

Os criadores do ransomware móvel estão a utilizar muitos recursos para conseguir infiltrar-se no Google Play e assim multiplicar o seu número de vítimas e as suas receitas.

Embora seja difícil eludir as proteções do Google, os investigadores da Check Point já detetaram uma variante chamada Charger que o conseguiu fazer. Podemos esperar, portanto, que no futuro próximo outras famílias de ransomware também o consigam.

Efeito maximizado graças à encriptação completa

Até ao momento, o ransomware móvel apenas cifra algumas partes do dispositivo e dos ficheiros nele armazenados, ou bloqueiam o acesso do utilizador ao dispositivo sem encriptar nada. Isto deve-se ao facto de serem necessárias muitas permissões para aceder a determinadas partes do smartphone, o que exige um grande esforço por parte dos cibercriminosos.

No entanto, dado que este tipo de ameaça continua a evoluir, não é despropositado supor que no futuro próximo aparecerão variantes capazes de inutilizar todo o terminal, inclusive mesmo que se faça reset. Além disso, também poderão bloquear o cartão SD, que muitas vezes contém os dados mais valiosos.

 O ransomware unirá forças com o malware bancário

Embora os Trojans bancários estejam a perder protagonismo no PC, os seus equivalentes no malware móvel estão em pleno auge, principalmente porque podem eludir facilmente mecanismos de proteção como a autenticação de dois fatores. É possível que estes ataques comecem a incluir o ransomware como parte da sua operação para evitar que o utilizador possa defender-se.

O Trojan GameOver Zeus utilizou uma estratégia similar: combinou ataques DDoS com fraude bancária, impedindo as vítimas de interromper o ataque. Por seu lado, o BankBot utilizou métodos de camuflagem típicos do ransomware para se infiltrar no Google Play.

Conclusão

O ransomware móvel evoluiu muito nos últimos meses, e a Check Point prevê que continue a crescer no seu alcance e que desenvolva novas e mais potentes funções para obter benefícios.

Os dispositivos móveis, e o malware desenhado para este tipo de dispositivos, deixaram já de ser uma novidade. Portanto, as empresas têm a obrigação de proteger os smartphones e tablets dos seus colaboradores do mesmo modo que defendem qualquer outra parte da sua rede.

Classifique este item
(0 votos)
Ler 538 vezes Modificado em Jun. 27, 2018
Tagged em

Sobre nós

Nascida em 2002, a Wintech é uma pagina web que reúne informações sobre tecnologia. Apresenta regularmente guias, análises, reportagens e artigos especiais de tudo o que rodeia o mundo tecnológico. Saiba mais.

Wintech TV

Newsletter

Receba as notícias no seu e-mail

Top