Mais de metade das empresas europeias sofreu consequências causadas por um ciberataque nos últimos 24 meses - Wintech

Nos últimos 24 meses e, de acordo com os decisores de IT das empresas europeias, mais de metade (54%) das organizações enfrentaram vários ciberataques. As suas consequências mais referidas foram: interrupção do serviço/atividade (31%), problemas com segurança de dados (18%) e perda de dados (15%).

Organizações no Reino Unido e Espanha enfrentam os maiores riscos, com 64% dos inquiridos a confirmar as suas experiências nos últimos dois anos. Apesar de tradicionalmente terem orçamentos superiores em comparação com as PMEs – 64% das empresas enfrentou um ciberataque com os resultados acima mencionados, face a 45% por parte das PMEs.

E essa ameaça não está a diminuir. Quase um em cada cinco inquiridos (21%) refere que o número de ciberataques contra a sua empresa aumentou nos últimos 12 meses, em comparação com o ano anterior; enquanto 42% salientou que se manteve estável. Além disso, a complexidade dos ciberataques continua a crescer, com um em cada cinco responsáveis de IT, a mencionar que os hackers não deixam nenhuma pista no ataque sobre a sua identidade.

Quanto antes, melhor

Com uma grande quantidade de dados confidenciais que inundam o mundo dos negócios, é vital para as organizações descobrir as falhas de segurança o mais depressa possível e responder de forma imediata e eficaz a este problema. Pouco mais de dois terços das organizações europeias (72%) analisadas encontrou uma falha de segurança em oito horas ou menos, enquanto 25% refere que não toma medidas durante as primeiras horas do ataque, pois só descobrem que foram atacados tempo depois. Como referido em pesquisas passadas, a rapidez da deteção do ataque é crucial para reduzir o impacto financeiro do mesmo: uma deteção imediata significa um custo de recuperação de cerca de 400 mil euros, em comparação com 1 milhão de euros de custo para as empresas que demoram mais de uma semana a detetar que uma ameaça invadiu o seu sistema.

"É extremamente preocupante pensar que mais da metade das empresas em toda a Europa sofreu um ciberataque nos últimos 24 meses, interrompendo a sua atividade ou provocando outro tipo de danos. A hipótese de um ataque ser bem-sucedido, não apenas uma tentativa, têm aumentado até 50%. Esta informação devia ser uma chamada de atenção para os empresários e responsáveis de IT reforçarem a sua proteção, afirma Alfonso Ramírez, Diretor Geral da Kaspersky Lab Iberia. Os resultados da pesquisa também confirmaram outra tendência para a qual a indústria de cibersegurança tem vindo a alertar há algum tempo: os hackers estão escondidos dentro da empresa e, às vezes, deixam poucas pistas ou mesmo nenhumas, o que dificulta o trabalho dos investigadores e sublinha a importância da cooperação entre os profissionais de cibersegurança.

Ferramentas avançadas de segurança como o Kaspersky Anti Targeted Attack Platform (KATA), pode proteger as empresas das ameaças mais sofisticadas, com base em modelos de aprendizagem automáticos, sandbox e outras técnicas avançadas.

A equipa de Análise e Investigação (GReAT) da Kaspersky Lab é uma equipa de profissionais de cibersegurança com a capacidade de detetar ataques direcionados avançados, malware, ransomware, campanhas de ciberespionagem e hackers, de forma a tornar o mundo num lugar mais seguro para as organizações e indivíduos. A equipa GReAT investigou centenas de ciberataques, ajudando as organizações e forças de segurança a responderem a estes ataques e a conduzirem investigações. Mais informação disponível sobre a GReAT aqui.

Classifique este item
(1 Vote)
Ler 424 vezes
Tagged em

Sobre nós

Nascida em 2002, a Wintech é uma pagina web que reúne informações sobre tecnologia. Apresenta regularmente guias, análises, reportagens e artigos especiais de tudo o que rodeia o mundo tecnológico. Saiba mais.

Wintech TV

Newsletter

Receba as notícias no seu e-mail

Top