Entre 2019 e 2020, o número de utilizadores de serviços da Kaspersky que se depararam com ataques direcionados de ransomware - malware utilizado para extorquir alvos de grande visibilidade, como grandes empresas, organizações governamentais e organizações municipais - aumentou em 767%. Este aumento foi também acompanhado de uma diminuição de 29% no número total de utilizadores afetados por qualquer tipo de ransomware, sendo o WannaCry a família mais encontrada. Estas são algumas das principais conclusões do mais recente relatório da Kaspersky sobre o panorama do ransomware.

A Sophos , líder global em cibersegurança de próxima geração, anunciou hoje as conclusões da sua investigação global “The State of Ransomware 2021”, que revela que, em média, o custo total da recuperação de um ataque de ransomware mais do que duplicou em apenas um ano – aumentando de 630.969 euros em 2020 para 1.53 milhões de dólares em 2021. O pagamento médio de um resgate, por si só, situa-se nos 141.267 dólares. As conclusões globais também revelam que apenas 8% das empresas conseguiram recuperar todos os seus dados após pagarem um resgate, e 29% apenas puderam recuperar metade deles.

A Aon, empresa líder mundial de serviços profissionais nas áreas do risco, reforma e saúde, divulga o 2021 Cyber Security Risk Report, que identifica os principais riscos cibernéticos enfrentados pelas organizações, ao mesmo tempo que analisa como estas estão a gerir estas ameaças ao nível da segurança cibernética. Da análise efetuada, conclui-se que o ransomware se tornou o principal risco para seguradoras e segurados, tendo registado um aumento de 400% dos episódios de ataque cibernético entre o primeiro trimestre de 2018 e o quarto trimestre de 2020.

A par do crescimento da ameaça por ransomware, o estudo releva também a ainda escassa capacidade de resposta das empresas face a este risco. De acordo com as organizações inquiridas, apenas 31% das empresas afirma ter medidas de resiliência de negócio adequadas ao risco de ransomware.

Os investigadores da Check Point® Software Technologies Ltd., fornecedor líder global de soluções de ciber segurança, descobriram uma nova variante de malware para Android chamada “Black Rose Lucy”, que foi visto pela primeira vez em setembro de 2018. No total, os investigadores da empresa detetaram 80 amostras da nova variante de ‘Black Rose Lucy’ ocultas em aplicações de reprodução de vídeo que aparentemente pareciam inofensivas, aproveitando o serviço de acessibilidade do Android para instalar a sua informação sem necessidade de nenhuma interação do utilizador, criando um interessante mecanismo de auto-proteção.

Num incidente já confirmado pela própria empresa, na madrugada do passado dia 27 de novembro aconteceu um ciberataque possivelmente causado por uma APT (Ameaça Persistente Avançada) com implantação de ransomware que afetou a empresa de segurança Prosegur, em Portugal e Espanha.

Check Point® Software Technologies Ltd., fornecedor líder especializado em cibersegurança a nivel mundial, alerta para a rápida transformação do ransomware, a que se tem assistido nos últimos anos. Antes, os cibercriminosos enviavam e-mails de phishing para milhares de endereços, agora o seu trabalho foca-se na melhoria da arquitetura do malware, com o objetivo de aumentar o grau de precisão e as técnias que permitem aceder aos botnets.

A INFINIDAT, fabricante independente líder em soluções de armazenamento empresarial multi-petabyte, identifica os três desafios críticos que, na ótica dos seus especialistas, as empresas devem ter em conta para evitar a perda de dados devido a ataques de ransomware e para cumprir as estritas regulações que o Regulamento Geral de Proteção de Dados (RGPD) estabelece.

A notícia está a ser avançada por vários órgãos de comunicação social e indicam que os hospitais da CUF estão a ser alvo de um ataque informático desde sexta-feira.

De acordo com o jornal Correio da Manhã, existem mesmo suspeitas de que tenha sido feito um pedido de resgate, no entanto esta informação não está ainda confirmada.

De acordo com a Check Point® Software Technologies Ltd., em 2018 os cibercriminosos estão a usar cada vez mais o ransomware para dispositivos móveis. O recurso a este tipo de ataque, que sequestra o terminal da sua vítima, também cresceu de forma exponencial em computadores. Não é, portanto, de estranhar que também se tenham popularizado as suas variantes para smartphones e tablets.

Um grupo de investigadores ligado à segurança informática da empresa MalwareHunterTeam revelaram terem descoberto uma nova ameaça chamada PUBG Ransomware.

Este ransomware tem, contudo, uma característica e que contraria o que normalmente acontece com estes esquemas maliciosos: desbloqueia os ficheiros caso o proprietário do sistema jogue PlayerUnknown’s Battlegrounds.

Pág. 1 de 2

Sobre nós

Nascida em 2002, a Wintech é uma pagina web que reúne informações sobre tecnologia. Apresenta regularmente guias, análises, reportagens e artigos especiais de tudo o que rodeia o mundo tecnológico. Saiba mais.

Apoiamos

Gled Agra X Streamer @ Facebook

Newsletter

Receba as notícias no seu e-mail

Top