Um pouco por todo o mundo, a temporada futebolística está em toda a sua plenitude, e como é usual a cada nova época, surge também um novo jogo da saga “FIFA” com a chegada do mais recente titulo da Electronic Arts o ‘FIFA 18”.

«FIFA 18» é um dos títulos que dispensa grandes apresentações, sendo que desde há algum tempo que reúne comunidades em torno deste titulo que, acerrimamente, defendem que este é o melhor jogo de simulação futebolística. Uma “batalha” que tem vindo a ganhar cada vez mais adeptos numa luta desenfreada contra uma das outras grandes referências (em particular há uns anos atrás) do mundo do futebol virtual, falamos pois do bem conhecido PES.

A cada ano que passa a Electronic Arts tem como objetivo continuar a conseguir ganhar “pontos”, algo que tem vindo a ser difícil, mas que graças ao poder criativo da empresa tem conseguido mesmo superar as expetativas, adicionando recursos capazes de continuar a dinamizar o título e a fazer rejubilar de alegria os seus fiéis seguidores.

Jogabilidade

Pelo segundo ano, a EA voltou a adotar como motor de jogo, o motor gráfico Frostbite, e decidiu dar continuidade ao bem sucedido modo de jogo “A Caminhada” (The Journey, se preferir) onde o protagonista é o já bem conhecido “craque” Alex Hunter. Além disso, as licenças dos mais variados campeonatos acabam por dar um “colorido” e um realismo único a este FIFA.

Como seria de esperar, e começando precisamente pelo motor gráfico do jogo, a Electronic Arts refinou muitas das animações, em particular fora do campo de jogo e dando particular atenção ao publico que, há uns anos, parecia estático. No terreno de jogo, os movimentos dos atletas estão melhor conseguidos, e apresenta uma experiencia ainda mais realista.

Em termos práticos, na jogabilidade pouco se alterou, sendo que é notória uma melhoria nas movimentações dos jogadores, do ambiente envolvente e uma inteligência artificial melhorada.  A título de exemplo desta melhoria, jogadores dotados de uma técnica individual acima do normal são facilmente identificáveis, sendo que fazer fintas com Messi ou Neymar é muito mais “sublime” podendo facilmente mudar de direção e que, com recurso a um simples toque controlador analógico pode ser o suficiente para “partir os rins” ao adversário e deixá-lo pelo caminho. Outra das novidades no jogo é o novo modo de cruzamentos, que a partir de agora oferecem um maior controlo, ou seja, é mais fácil controlar para onde queremos enviar a bola, seja ao primeiro poste, para o centro da área ou para o segundo poste. Uma novidade que demora a entrar na nossa rotina de jogo mas que com o passar do tempo se revela extremamente útil.

 

Destacamos ainda alguns pormenores no jogo que foram agora introduzidos, como é o caso de podermos iniciar ou reiniciar o jogo com um só jogador, deixando para trás a necessidade de ter de dar um toque para a frente, numa clara adaptação às novas leis de jogo. A introdução do sistema de substituições rápidas permite aligeirar esta opção, ou seja, durante o jogo é feita uma sugestão de substituição permitindo assim uma maior poupança no tempo e na tarefa de substituir um atleta mais cansado ou responder a uma nova necessidade tática.

Modos de Jogo

Como referimos, uma das bandeiras deste novo FIFA é a continuidade da vida de Alex Hunter, com a continuação do modo de jogo “A Caminhada”.  Neste modo, encontramos Alex Hunter numa nova fase da carreira, com a integração (ou tentativa) na Premier League, algo que por tanto lutou no primeiro capítulo da história da vida deste jovem jogador, porém entrar num plantel consistente como aqueles que estão na primeira divisão inglesa não é facial para um tenro atleta e Hunter não é exceção. Alex Hunter não consegue assim vingar e é novamente emprestado, sendo levado para o outro lado do oceano até à Major League Soccer, o campeonato norte-americano, e onde o objetivo, como seria de esperar, é voltar a integrar a Premier League…Ao longo da história vamos sendo brindados com algumas ofertas que podem ser usadas num dos modos de jogo mais apreciado, o FIFA Ultimate Team.

 

O modo de Carreira sofreu também alguns ajustes, isto depois de estar algum tempo sem grandes alterações. Neste campo, destaca-se o novo modo de negociações na altura em que é necessário contratar um jogador para o nosso plantel, apresentando sequências cinemáticas interativas, onde somos levados, numa primeira instância, até aos escritórios parra reunir com os responsáveis do clube de jogador e tentar chegar a um acordo para realizar a transferência. Depois, caso esta primeira fase seja bem conseguida, temos de nos reunir com o agente do jogador e com o próprio atleta com o intuito de discutir pormenores relacionados com o vencimento, anos de contrato, cláusula de rescisão e até um premio de assinatura, ou seja, estamos perante um processo muito mais refinado neste campo e que acaba por dar ainda mais realismo e interesse ao título. Apesar desta introdução, não é obrigatório que este procedimento seja levada a cabo em todas as negociações, pois temos sempre a opção de delegar a um adjunto essa tarefa…

Ainda neste campo de transferências, a Electronic Arts foi ainda mais longe e torna-o ainda mais real sendo que, mesmo após o término do normal período de transferências que, como se sabe, termina por norma a 31 de Agosto, é possível que vejamos os nossos atletas a serem aliciados pelos clubes russos que tem um período mais alargado para realizarem contratações…

O sistema de notícias futebolísticas foi também melhorado e apresenta-se mais dinâmico sendo que até as novas contratações são passíveis de uma conferência de imprensa onde vestem a camisola do novo clube.

O conceito do FIFA Ultimate Team, mantêm-se praticamente igual, porém, tal como era há algum tempo aguardado sofreu algumas melhorias e novas funcionalidades, onde se destaca, o alargamento dos Lendários (que a partir de agora se chama Icons), uma solução (leia-se jogadores reformados e que foram grandes craques do mundo do futebol e que podem ser integrados em qualquer plantel criado neste FUT) que, até este ano, era um exclusivo para a Xbox One e que desta forma é alargada a todas as outras plataformas.

 

As opções de jogos mantêm-se, ou seja, o jogador pode optar por jogar num modo “single-player” ou online. A EA adicionou ainda neste modo de jogo aquilo que chamou de Squad Battles, ou seja, uma opção que permite ao jogador enfrentar equipas criados por jogadores de futebol reais, produtores e os melhores jogadores de FIFA do mundo que, neste caso, serão controlados pela inteligência artificial do jogo. Existem vários níveis de dificuldade que dão acesso a um determinado número de pontos. Esses pontes servem para que o jogador possa ter uma classificação e, conforme o resultado obtido ao longo da semana, lhe dará acesso a ofertas para o FIFA Ultimate Team (packs de jogadores, FIFA Coins, etc).

Para complementar o FUT, existem também desafios diários e semanais que permite aos jogadores terem acesso a mais “bónus” para enriquecer a sua equipa deste modo de jogo. Na realidade estas opções todas tem um propósito, continuar a alimentar o FIFA Ultimate Team.



Uma nota final para o sistema Squad Building Challenges que, mais uma vez, está também integrado neste FIFA 18 apresentando-se mais variado e completo, permitindo obter prémios FUT mediante o cumprimento de determinados objetivos que são propostos regularmente aos jogadores.

Gráficos e Som

Como já referimos, com a chegada no ano passado do motor de jogo “Frostbite” ao FIFA, a EA acabou por adicionar mais e melhores efeitos visuais, dotando o FIFA 18 com melhorias substanciais nas movimentações, animações e ao adicionar componentes ao jogo que o tornam visualmente mais real.

Não poderíamos deixar passar em claro a presença de Cristiano Ronaldo que, honra seja feita, já merecia ser capa do jogo, pois este é, atualmente, o melhor jogador do mundo. Cristiano Ronaldo foi também alvo de particular atenção por parte da EA que lhe permitiu transmitir os seus movimentos para dentro do jogo, como é caso da sua clássica posse na altura de bater um livre direto, fintas características, entre outros pormenores que tornam inconfundível a sua movimentação dentro do terreno de jogo.

 

Mais uma vez, a EA deu particular atenção ao campeonato inglês, acrescentando ao leque de estádios alguns dos mais emblemáticos, como é o caso do King Power Stadium, a casa do surpreendente Leicester City.  Por falar em estádios, os adeptos estão mais autênticos e movimentam-se de forma mais fluida, onde destacamos, por exemplo, aquando da marcação de um golo é possível ver os adeptos mais próximos do jogador a correrem em direção ao limite da bancada…

Em termos sonoros, mais uma vez, a Electronic Arts fez um trabalho brilhante e, se por ventura o jogador “abraçar” o desafio de treinar ou jogar num dos principais clubes ingleses, como por exemplo, o Liverpool, vai ser possível ouvir os cânticos únicos dos adeptos que, em determinadas alturas, chegam mesmo a cantar o mítico “You Never Walk Alone”.

Na banda sonora, a EA adicionou mais de 50 temas ao jogo e que permite ao jogador entreter-se quando não está em campo, mantendo uma mistura de culturas e ritmos.
Um dos pontos fortes do titulo são os comentários que, mais uma vez, ficam a cargo dos emblemáticos Martin Tyler e Alan Smith que, este ano, tiveram de acrescentar novas frases para, por exemplo, detalhar o que se passa em campo com o Hunter e na sua “Caminhada” em direção ao estrelato. 

Conclusão

O novo FIFA 18 vem cimentar aquela que já é uma posição confortável no que diz respeito ao titulo de qual é o melhor simulador de jogos de futebol, onde se destaca a introdução de algumas novidades num dos modos de jogo mais acarinhado, como é o caso do FIFA Ultimate Team. A continuação da aventura da estrela “Alex Hunter” vem dar ainda mais colorido ao titulo.

O motor de jogo Frostbite continua a ser otimizado e, como consequência, a trazer novas e mais fluidas movimentações por parte dos intervenientes.

FIFA 18 não traz grandes novidades no que à jogabilidade diz respeito, porém o facto de os seus criadores continuarem a desenvolver novos modos de jogo e novas soluções que alimentam o jogo faz com que este seja ainda considerado o melhor jogo de futebol da atualidade.

Mais uma vez, infelizmente, temos a destacar que, apesar dos menus e todo o texto estar em português, os comentários ainda não estarem presentes na língua de Camões, algo que pensamos que poderia ser disponibilizado pela EA nem que fosse como um Add-On opcional, pelo que, fica aqui a nossa dica.

FIFA 18 está disponível em toda a sua plenitude em consolas Xbox One, PlayStationt 4 e PC, sendo que as “old gen” como a Xbox 360 e PlayStation 3 ficaram privadas do modo de jogo “A Caminhada”, algo que pode influenciar os fãs do jogo a terem, mais tarde ou mais cedo, a terem de atualizar a sua plataforma favorita de jogo.

Classifique este item
(1 Vote)
Ler 286 vezes Modificado em Out. 29, 2017

1 comentário

Deixe um comentário

Sobre nós

Nascida em 2002, a Wintech é uma pagina web que reúne informações sobre tecnologia. Apresenta regularmente guias, análises, reportagens e artigos especiais de tudo o que rodeia o mundo tecnológico.

O nome Wintech surge com o objetivo de apresentar conteúdos relacionados com o Windows (Win) e também com tecnologia (tech).

Ultimos comentários

Newsletter

Receba as notícias no seu e-mail

Top