A Check Point® Software Technologies Ltd., o maior fabricante mundial especializado em segurança, alerta para o crescimento dos ciberataques a dispositivos IoT dos sistemas de saúde de todo o mundo. Além de ataques de ransomware, como o que afetou um hospital de Los Angeles que se viu obrigado a pagar 17.000 dólares no ano passado, ou o do WannaCry, que provocou o cancelamento de cirurgias e encerramento de blocos operatórios no Reino Unido, agora os centros de saúde e unidades hospitalares estão a enfrentar a exploração de vulnerabilidades existentes nos dispositivos IoT.

O setor da saúde adotou em força a IoT. Os aparelhos conectados têm um enorme potencial para salvar vidas: compilam e analisam grandes volumes de dados clínicos e permitem aos profissionais oferecer um tratamento personalizado a cada paciente de forma rápida e até remota. No entanto, estes dispositivos também põem em risco os dados sensíveis dos pacientes e o bom funcionamento das entidades de saúde. A IoT associada ao atendimento médico deve ser capaz de proteger dos hackers toda a informação que compila, transmite e armazena. E os que não adotarem medidas de segurança avançada –a maioria dos casos– estão completamente expostos.

Assim sendo, quão vulnerável está a IoT utilizada no sector da saúde? Para avaliar esta questão, é importante distinguir entre os diferentes tipos de objetos inteligentes. Por um lado, temos dispositivos médicos portáteis, que vão desde uma bomba de insulina a um pacemaker. Um ciberataque direto contra estes dispositivos pode servir para chantagear o paciente, ameaçando-o com a interrupção do seu funcionamento. E, por outro lado, existem máquinas como dispensadores de farmácia inteligentes ou estações de quimioterapia conectadas. As possibilidades de os cibercriminosos porem em perigo a vida das pessoas que estão nos hospitais, tomando o controlo dos dispositivos que servem para as tratar, é realmente preocupante: os mesmos dados que permitem aos médicos fazer ajustes no funcionamento dos dispositivos médicos também podem ser usados de forma mal-intencionada.

A Check Point defende que os criadores e fabricantes de IoT para o sector médico, assim como as empresas e os pacientes que utilizam os dispositivos, devem que tomar uma série de precauções para minimizar os riscos:

 

  • Implementar um modelo de privacidade desde o desenho da máquina. Esta medida também é necessária para qualquer empresa sujeita ao cumprimento do futuro GDPR da UE e deve fazer parte integrante do desenho e conceção de todo e qualquer equipamento IoT para a saúde.
  • Assegurar-se de que têm um sistema de segurança móvel e de endpoints avançado. Uma estratégia de proteção integral, que garanta que todos os equipamentos estão protegidos com uma só arquitetura, é a melhor abordagem. Esta solução deve cobrir aspetos como a segmentação da rede e, para ser capaz de mitigar os múltiplos vetores de ataque avançados, devem ser incluídas soluções de prevenção de ameaças.

 

A Internet das Coisas pode revolucionar verdadeiramente a indústria médica, mas também pode ser um convite aos cibercriminosos que queiram chantagear hospitais e pacientes, roubar dados e causar danos reais. Os criadores, fabricantes, profissionais da saúde e pacientes necessitam de trabalhar em conjunto para manter este novo alvo a salvo do cibercrime em geral e do ransomware em particular.

Classifique este item
(0 votos)
Ler 186 vezes
Tagged em

Deixe um comentário

Sobre nós

Nascida em 2002, a Wintech é uma pagina web que reúne informações sobre tecnologia. Apresenta regularmente guias, análises, reportagens e artigos especiais de tudo o que rodeia o mundo tecnológico.

O nome Wintech surge com o objetivo de apresentar conteúdos relacionados com o Windows (Win) e também com tecnologia (tech).

Newsletter

Receba as notícias no seu e-mail

Top